(41) 3244-6844 | FALE CONOSCO

Notícias

Do dia

Presidente da FEPASC na OIT

13.06.2018

 Após duas semanas de reuniões, o presidente da FEPASC, Felipe Busnardo Gulin, participou da apresentação dos resultados da equipe brasileira na 107ª Conferência Internacional de Trabalho, promovida anualmente pela Organização Nacional do Trabalho (OIT). A reunião de balanço também contou com a presença do Ministro do Trabalho, Helton Yomura, e a embaixadora do Brasil em Genebra (Suíça), Maria Nazareth Farani Azevedo.

Um dos pontos de maior repercussão do congresso foi o fato de que a modernização trabalhista Brasil estaria descumprindo a Convenção de 98, que é responsável pelos direitos à negociação coletiva do trabalho. Em comunicado ao governo brasileiro, a OIT afirmou que reforma trabalhista está em conformidade com as definições da Convenção 98.

Felipe Gulin participou do evento a convite da Confederação Nacional de Trabalho (CNT) e representou o Brasil durante as sessões na Suíça. “Com as denúncias de que o país estaria descumprindo as normas internacionais, nós da delegação ampliamos os esforços para demonstrar que a modernização trabalhista não está violando nenhuma das convenções internacionais estabelecidas”, relata o presidente da FEPASC.

O Ministro do Trabalho, Helton Yomura, também falou sobre o assunto. “Após ouvir os argumentos dos trabalhadores, do governo e dos empregadores, a comissão resolveu solicitar apenas informações adicionais ao governo brasileiro”, disse.

A conferência internacional pode ditar normas e definir convenções que afetam diretamente as leis do país. “Estar lá e acompanhar esse processo é fundamental para evitar que o setor de transportes e que o Brasil não sejam prejudicados”, afirmou Gulin.

Os empresários e representantes da Confederação Nacional das Indústrias (CNI) e da CNT defenderam que a reforma reforça os acordos existentes, sem ameaça aos direitos dos trabalhadores.

“Nós saímos daqui com o sentimento de missão cumprida. Além disso, gostaria de agradecer à CNT pela confiança por ter me convidado para representá-la em um palco internacional com mais de cem países representados”, finaliza Felipe Gulin sobre a sua participação na 107ª Conferência Internacional de Trabalho.